Entrar     Registrar  
 
 
De Tudo um Pouco
 
 
Colunas
 
 
Fale conosco
 
 

 

 

 
 Pequenas doações são suficientes para fazer grandes projetos ou manter vivas algumas ideias.
Da forma que você puder, e quiser, ajude-nos a manter o De Tudo Um Pouco no ar.
  ColunasMe fez crescer    maio 29, 2017
Minimizar
04

E então pessoal, tudo bem? Espero que esteja tudo ótimo...

Na coluna deste mês vamos conversar sobre um assunto um pouco polêmico, gerador de muitas dúvidas e questionamentos entre mamães e papais: o castigo!

A revista Crescer do mês de setembro deste ano, trouxe como matéria de capa este tema, abordando algumas linhas de pensamento e comportamento, embasados por psicólogos e educadores. Vários são os modos de ver e tratar o tema, mas a verdade é que não existe uma 'fórmula mágica", certa ou errada.

Em minha opinião, o castigo substitui sim a palmada. Calma! Não sou radical como muitos hoje em dia, e concordo que uma palmada dada na hora certa, pode evitar prejuízos futuros para o comportamento e principalmente na personalidade de nossos filhos. Mas também acho que ela pode e deve ser evitada. Sempre (que possível)!

Minha pequena, apesar da pouca idade, sabe que se insistir em desobedecer, ficará de castigo. Este pode variar dependendo da situação. E dentre o "repertório" mais usado estão: ficar sentada por alguns minutos para "pensar no que fez de errado", ficar sem assistir aos filmes amados da Barbie, ou até mesmo ficar sem usar batom por um ou dois dias (acreditem, não usar batom para ela é castigo... Rsrsrsrs!).

O mais importante, que é dito por especialistas, e que tenho sempre comigo: é que sejamos muito claros e verdadeiros, com a criança, para que ela entenda, verdadeiramente, o motivo da punição, e para que o ato de castigar não seja banalizado. Se não pode fazer determinada coisa, não pode mesmo. Explique o motivo, ainda que você pense que a criança não vai entender... Eles entendem muito mais do que imaginamos!

O diálogo é fundamental em quase tudo em nossa vida. E quando educamos, quando formamos (ou moldamos) o caráter de nossos filhos, precisamos conversar muito! Educar requer paciência, muito amor e muita conversa...

Eu converso, explico, falo várias vezes a mesma coisa; mas depois de inúmeras (e cansativas) repetições, aplico o castigo, dizendo para ela o porque desta atitude. E, apesar da pouca idade, funciona! Já deixei a bonitinha sem brincar com nenhum brinquedo por um dia inteiro, depois de uma semana de drama para arruma-los antes de tomar o banho para dormir. Hoje ela até reclama, mas guarda os brinquedos no fim do dia (depois de eu mandar, é claro! É só uma criança de 2 anos e pouco. Rsrs!).

Educar é um processo demorado e construído no dia a dia. Cada família deve encontrar sua fórmula ideal. É claro que cometeremos muitos erros e acertos, mas nosso objetivo é nobre: formar as melhores pessoas que pudermos. Não existe filho perfeito, ou pai perfeito, ou educação perfeita. Existe amor. E com ele, e uma dose grande de paciência, conseguiremos alcançar nossos objetivos.

Espero que tenham gostado, e que possam tirar algum proveito da coluna deste mês.
Se quiser enviar mensagem para mim, por favor, fique a vontade! Será muito bom "trocarmos figurinhas"!
Grande beijo e até a próxima!

Comentários

Atualmente não há comentários. Seja o primeiro a colocar um.

Postar comentário

Somente usuários registrados podem postar comentários.
 
  Copyright 2003-2017 - Ronaldo C. E. Santos   Termos de uso  Privacidade